Questão Du Proprio

Questão Du Proprio

13 de novembro de 2011

Quanto ao Du Proprio, eu não sou muito a favor, isto é óbvio. É como se alguém estivesse fazendo o seu trabalho (ou parte do seu trabalho, porque o que o Du Proprio faz, nao é exatamente o nosso trabalho, ele simplesmente nos retira o nosso trabalho), sem pagar cotizações a CIGM, ou a OACIQ ( que são órgãos governamentais que existem para proteger os consumidores, no caso os compradores e vendedores de imóveis, e ao mesmo tempo fiscalizarem que o trabalho dos agentes (como eu, Dalva e todos os outros agentes ) e imobiliárias (como a Sutton, Remax, etc) é feito da maneira honesta, correta e regulamentar. Claro que o Du Proprio não fazendo parte de nenhuma associação governamental e não tendo nenhum diploma ou certificado de conformidade, não oferece nenhuma dessa proteção ou fiscalização ( os clientes têem que se proteger mutuamente e da melhor maneira possível, com os conhecimentos que possuem ), mas na maioria das vezes tudo corre aparentemente bem, é como um nascimento em casa sem assistencia médica, se tudo correr bem é maravilhoso, porém se um problema médico não evidente aparecer, tanto a mãe como o bebê podem estar numa situação precária, o mesmo se aplica para a transação imobiliária. Conheço muita gente que comprou através do Du Proprio e se deram muito bem e outros que se deram menos bem e outros que só descobriram os problemas quando foram vender, mas é um risco calculado, existe muita informação sobre o Du Proprio na internet, com coisas boas e ruins, então o risco que se corre é um risco “consciente”.

Mais uma vez, essa é a minha opinião pessoal sobre o Du Proprio, é normal que não goste deles, é como se amanhã alguém resolvesse fazer o trabalho de vocês sem ter nenhuma qualificação, mas cobrando metade do salário, já escrevi sobre esse assunto mais de uma vez no GuiaBrasil.ca, é uma situação que persiste porque a CIGM e a OACIQ não tomam ações diretas que deveriam ser tomadas contra o Du Proprio (que é propriedade da Power Corporation-companhia canadense com muita influência governamental). Já existem mais de 7 julgamentos contra eles, porém com o poder monetário que têem sempre recorrem e continuam fazendo o que fazem sem nenhum problema, e conhecendo bem o governo canadense e quebecois essa situação ainda vai persistir por muitos anos.

Muito importante:

Quem compra com o Du Proprio, ao contrário do que pensa, não está economizando. O preço da propriedade a venda é o do mercado ou mais (não o do mercado menos a comissão). A comissão que seria dos agentes continua existindo, mas é embolsada pelo vendedor do imóvel. Você estará então pagando o mesmo preço ou mais sem ter os serviços especializados, a experiência de negociação e a proteção garantida por lei e orgãos regulamentadores dos quais fazem parte os agentes imobiliários.

Quem vende com o Du Proprio, paga uma comissão ao du Proprio, antes mesmo da propriedade ser vendida, em outras palavras que você venda ou não a sua propriedade, a comissão do Du Proprio será embolsada. Na presença de um mercado de vendedores essa possibilidade pode parecer boa (a propriedade pode ser vendida e você embolsa a parte da comissão dos agentes). Idealmente se você tiver conhecimentos legais e em imóveis você deverá ser capaz de se proteger de qualquer problema futuro que possa aparecer, especialmente se seu comprador for alguém sem conhecimento nenhum do mercado imobiliário ou das leis de proteção canadenses. Na presença de um mercado de compradores, você pode pagar uma comissão ao Du Proprio e não conseguir vender sua propriedade, mas isso você deve pensar antes de utilizar o serviço deles, que não tem regulamentação governamental. Caso alguma coisa não saia de maneira correta na transação, você e o comprador não poderão recorrer ao Du Proprio para ajudá-los na solução do problema.

Abraços

Flavio